Menu Fechar

e este é o último post? talvez

Eu quis fazer este blog por várias razões:

  • gostava de partilhar dicas que me ajudaram a vivenciar o cancro;
  • gostava de puder falar com pessoas que estivessem a passar pelo mesmo e ajudar e aprender com estas
  • gostei de escrever sobre assuntos não tão falados como sexualidade ou dinheiro, que não são tão abordados mas que tem uma grande influência

E acho que consegui isto tudo. 

Porém, há um grande senão ao ter um blog…o tempo.

Atualmente, para um blog aparecer nas primeiras páginas (aquelas que as pessoas visitam) é preciso tirar cursos de SEO; e de SEM e mais não sei o que.

E depois o Sr. Google está-nos sempre a penalizar. Se fiz um artigo, mas não o atualizo há algumas semanas, ele considera esse artigo “velho” e poderá rapidamente ir para o fundo das pesquisas. 

Ou seja, ter um blog rapidamente torna-se num trabalho

Acho que inicialmente ainda tive uma esperança em conseguir tornar este projeto num negócio digital.

  • criar parcerias com empresas
  • criar descontos para as pessoas que estão a vivenciar cancro da mama
  • criar novos serviços como aulas de ioga individuais…

Mas as respostas negativas foram muitas

Então há que assumir que não consegui. Posso dizer que custou bastante.

Na minha cabeça tudo fazia sentido e era impossivel as empresas não quererem…mas não querem.

E a vida continua e com isso as despesas necessitam de ser pagas. 

E constatei mais uma situação nos tempos mais recentes. O meu regresso ao mercado de trabalho está a ser mais dificil do que previa. Isto porque, ao procurar um novo emprego, a parte de ter que ir ao hospital com alguma frequência não é bem vista. 

E sendo realista, entendo a parte do empregador, se existem tantos bons candidatos, é normal não escolher quem tem problemas com disponibilidade. 

Assim, sei que vou ter que me diferenciar, e começarei por mais competências, o que exigirá de mim mais formações e com isso tempo

Mas o bichinho do blog continuava por aqui, pois recebia emails de pessoas com questões que eu sabia responder e queria ajuda-las.

Ou meninas que não estavam de todo a ter um bom dia e eu quis de todo trocar mensagens. Quanto não fosse como um desabafo.

E quando dava por mim já era de madrugada e não tinha feito o curso que queria. Ou as tarefas que me levaram ao computador.

Ou seja, a meu ver, há muita coisa a fazer. E eu queria ir fazendo alguma coisa. Mas agora sei que pela minha saúde emocional e mental tenho que abandonar o barco. 

[Desculpem todo este meu desabafo, mas este é o meu momento para me explicar porque é que este projeto vai ficar em stand by]

Na minha opinião uma pessoa a passar por cancro deveria ter mais apoio:

  • deveria ser possivel falar sobre o que está a passar – quimioterapia | queda cabelo | mudanças fisicas | menopausa…
  • informação para compreender o seu caso | há muitos dados, mas por vezes contraditórios, em que uma má informação pode mesmo ser prejudicial, dai pertinência de um site governamental ou app, de modo a ser possivel entender o caminho que está a ser feito
  • o doente deveria sentir um apoio quando mais necessita – ter comida no congelador quando enfrenta quimioterapia | ajuda nas tarefas
  • quem vive o cancro na primeira pessoa pode precisar de apoio, mas quem acompanha também pode precisar de apoio | e pela minha experiencia posso dizer que os sentimentos do meu namorado foram desvalorizados, tendo acontecido o mesmo quando acompanhei o cancro da minha mãe
  • o apoio economico é essencial – não se paga o cancro, mas geralmente ocorre um aumento das despesas, como alimentação, deslocações, medicação….e o nosso rendimento sofre uma abrupta descida
  • apoio na reorganização da vida | o cancro chega e tira-nos muito, coisas negativas e positivas e seja qual for a nossa situação de vida há uma grande reorganização, especialmente no que toca ao mercado de trabalho e coisas poderiam ser facilitadas se existisse um trabalho em conjunto (algo como um guia de sobrevivencia, onde teria como primeiro ponto que a recuperação até pode ser rápida, como pode ser bastante longa, e não há mal)

ninguem espera por um cancro na sua vida, logo ninguém está preparado para um cancro

Assim, há muitos artigos que ficam por fazer, como outros por acabar, tais como:

  • Animais de estimação e cancro
  • A pressão exercida a quem acompanha um cancro
  • Os problemas encontrados no regresso ao mercado de emprego
  • Como as crianças percecionam o cancro dos pais
  • Listas que nos ajudam
  • Cancro e acordar às 4h da manhã
  • Mudanças fisicas e psicologicas que o cancro acarreta
  • Poder da mente sobre o cancro

É, provavelmente sobre o ultimo ponto que gostaria de ter partilhado mais conteudos.

Sendo este ainda um mundo novo e, portanto com muito a descobrir, a explorar, a delinear.

Mas há algo que nesta tentativa de desapego deste projeto que me tranquiliza que é o facto de cada pessoa faz o seu percurso e vai recolhendo as ferramentas necessárias.

Assim, só sei que este será o último post dos próximos tempos.

Se a minha vida permitir, sei que mais cedo ou mais tarde voltarei para acabar, quanto não seja, todos os artigos que já escrevi só me falta a edição. Mas não sei. 

Outro ponto que gostei e acho que foi aceite no blog foram as minhas recomendações como series; filmes. E porque existem muitos mais conteúdos que adoro e que gostava de partilhar, descobri uma plataforma que permite tal: peoople (saber mais no blog poupa e ganha). 

O meu link da peoople é: https://peoople.app/maisumahistoria

Assim, força para quem soube recentemente que tem um cancro. Mas força também para aquelas pessoas que já estão fartas deste assunto. Bem como para aquelas que têm uma história de cancro na sua vida.

Obrigada a todos,

Lara*

Posted in cancro, cancro da mama

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.