Menu Fechar

Impacto de ver a mama (não muito positivo)

Impacto de ver uma “outra” mama

No dia que a enfermeira tirou o penso definitivamente na mama, mencionou que estava com muito bom aspecto, e para não me afligir que a mama estava muito negra (nódoas negras) e esverdeada (do corante utilizado na operação, que não sairia ao tomar banho, mas que com o tempo ia desaparecer).

Nesse dia a primeira coisa que fiz quando cheguei a casa foi ir ver a mama.

Como referi no post da consulta de cirurgia, admito que não quis pensar muito sobre o assunto. Mas lá no fundo queria era ter uma mini cicatriz, e a mama ficar como era. Mas se retiraram uma peça, bastante fina, mas com quase 6cm de comprimento e 4cm de largura, como é que eu podia ficar com a mama igual?

Quando vi a mama, juntamente com todo o esverdeado e negro, posso dizer que o impacto foi negativo. Sensação de mal-estar no estômago, em que tive mesmo que vomitar. Não estava à espera daquilo, não estava à espera de nada que não a minha mama…

Ao lidar com o cancro, as questões estéticas passaram-me mesmo ao lado, mas depois quando cai na realidade entendi como tudo é tão importante. Afinal de contas é o nosso corpo, algo que simboliza a mulher, o sexo feminino.

E não quis mostrar ao meu namorado, mas ele queria muito ver e ficou bastante surpreendido pela positiva, isto porque ele viu várias fotos e, infelizmente, nem todos os médicos entendem como o peito pode ser tão importante para uma mulher.

Mulheres mastectomizadas

E neste dia senti-me tão estúpida! Eu tive a possibilidade de ficar com a minha mama. Apesar de tantos esforços, nem todas têm a mesma sorte, que muitas necessitam de realizar mastectomia e, inconscientemente estava-me a queixar?

Mas há que entender que algo do nosso corpo foi alterado, há que dar tempo para aceitar a mudança. E se a primeira impressão não for assim tão positiva, não há problema.

Então a minha pergunta é: deveria eu ter-me preparado? Saber com o que deveria contar?

Se queremos, sim. Mas se não queremos, não. Até porque cada caso é um caso. Depende do tamanho do tumor, do local onde está alojado, da nossa mama…E gerir as expectativas nesta altura não é fácil.

Como foi a adaptação à nova mama?

Mas este impacto negativo foi mesmo no início. Habituei-me à minha nova mama rapidamente, também o facto das cores na mama começarem a desaparecer ajudou (e Cicalfate teve um papel importante nesta questão). Comecei então a ressalvar os pontos positivos (de lado parecia até que tinha feito um aumento mamário, estando impecável, além de que fiquei com menos gordura debaixo da axila).

redução mamária

A minha cirurgia consistiu numa redução mamária. Porém, esta mama era a maior. E como colocaram uma gordura que se encontrava debaixo da axila, praticamente ficou igual. 

Como é a cicatriz da mama?

Não tenho. Ou tenho mas não se vê. Apesar do tumor estar de lado, tiveram o cuidado de o remover o tumor através do mamilo. E então, os pontos foram dados ao redor do mamilo.

Sim, o mamilo fica estranho, principalmente ao comparar com o outro. Mas penso que foi mesmo a melhor opção para mim. E com o tempo fui sentindo melhorias estéticas.

E passado um tempo como me sinto?

Super bem. É diferente a mama, é. Mas se passamos por uma experiência como é lutra contra o cancro, não é possível tal não deixar marcas.

Posted in cancro da mama, cirurgia, esvaziamento axilar, recuperação, viver depois do cancro

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.