Menu Fechar

Implantação de cateter para quimioterapia dói? quando se faz e porquê?

Quando fui confrontada com a situação de cancro julguei imediatamente que o processo de tratamento já estaria todo delineado (dado serem tantos os casos de cancro da mama e, felizmente, muitos com sucesso). 

Assim, nem me preocupei muito com a dinâmica (se ia fazer a quimioterapia antes ou depois da cirurgia). 

Mas com o tempo fui aprendendo que, de facto, nem sempre o sistema funciona assim tão bem. E penso ser importante abordar esta questão não no sentido de assustar alguém, mas assim para cada pessoa estar atenta à sua situação.

E não há melhor exemplo do que a implantação cateter para quimioterapia

Cateter subcutaneo para quimioterapia

“1. O que é um Cateter Central?

Um Cateter Venoso Central Totalmente Implantável (CVCTI) é um pequeno dispositivo composto por duas partes.

Uma é o cateter propriamente dito, que é um tubo de silicone com 2 mm de diametro e cerca de 20 cm de comprimento.

Este tubo está ligado a uma pequena caixa (câmara de punção), com cerca de 1,5 cm de diametro e 1 cm de altura. Ambos os componentes ficam escondidos debaixo da pele e não são visiveis.

A câmara de punção fica colocada, em geral, no peito logo debaixo da clavicula ou no pescoço.

Em alternativa, poderá ser colocada junto dos ossos da bacia.”

Fonte: Centro Hospitalar São João 

Vantagens da implantação do cateter port a cath 

evitar quimioterapia na veia

Quando segui a minha mãe nas sessões dela de quimioterapia, consegui aperceber-me do quanto foi dificil encontrar uma “boa” veia, especialmente nas últimas sessões de quimioterapia

Recordo-me ainda quando a enfermeira mencionava que a última veia utilizada já não reunia as condições mínimas. O que fazia com que tivesse que injetar o cateter desse momento em diferentes pontos do braço.

Além de que, a minha mãe fez a quimioterapia a seguir à cirurgia, com esvaziamento axilar, e por isso a administração da quimioterapia só poderia ocorrer no braço direito. 

Deste modo, fiquei contente quando a médica de Oncologia informou-me que teria uma mini-cirurgia para colocar o cateter para quimioterapia.

Assim, para mim, a grande vantagem desta implementação é evitar o sofrimento da administração da quimioterapia nas veias. 

mais próximo do local 

Mas também referiram que com esta técnica, a quimioterapia é recebida mais perto da mama doente.

Dado este dispositivo encontrar-se no lado oposto à mama doente

Sendo este um outro beneficio do cateter central subcutaneo.

A quem é recomendado?

Este procedimento cirúrgico é recomendado a pessoas que farão tratamentos oncológicos longos.

Isto é, este dispositivo caracteriza-se por ser um catéter de longa permanencia para quimioterapia.

Muitos dos casos de cancro da mama que conheço receberam entre 6 a 8 administrações de quimioterapia. O que pode corresponder entre 5 a 6 meses. 

Bem como para os doentes oncológicos para quimioterapia intravenosa

Assim como nas situações clínicas em que os medicamentos utilizados são bastante tóxicos, o que conduz a que as veias fiquem mais secas (como são as quimioterapias brancas e vermelhas). 

Implantação de cateter quimioterapia | como é esta mini-cirurgia?

Nesta implementação, é administrada uma anestesia local. Assim, do lado oposto à mama doente é feita uma incisão de alguns centímetros, para colocar este dispositivo.

Por breves segundos senti um ligeiro desconforto na garganta. Todavia, este procedimento foi bastante rápido, cerca de 15 minutos.

E a seguir temos o acompanhamento de uma enfermeira até nos sentirmos bem.

O dia em que seria possivel esta implementação coincidiu com o dia da punção folicular. Assim, apesar de nesta implementação recomendarem um bom pequeno almoço para não ter uma quebra de tensão.

Mas como tinha que estar em jejum para a punção, tal não foi possível, o que dificultou um pouco a situação. Mas com alguma atenção (ir com calma, e com o apoio da minha mãe e namorado) consegui ir para a medicina de reprodução que fica num outro edificio hospitalar, 

Assim, mesmo nestas condições senti-me razoavelmente bem após esta mini-cirurgia.

E depois o cateter para quimioterapia doi?

Não. Na minha rotina nem me recordava de ter este dispositivo.

Mesmo ao tomar banho não sentia nada. Mas claro que não é conveniente pressionar demasiado este local. 

Cateter para quimioterapia foto

O cateter subcutâneo não é nada bonito.

Apesar do cateter ser totalmente implantado, não é propriamente um dispositivo discreto, pois parece que temos uma moeda debaixo da pele. 

cateter para quimioterapia
cateter quimioterapia

Penso ser percetivel na imagem visualizar o catéter, que no meu caso localizava-se no lado direito. E a cicatriz desta mini-cirurgia.

Geralmente, é feita também uma outra cicatriz (esta é mesmo muito pequena, cerca de 0,5cm), situada na zona do pescoço. Um pouco acima do cateter é normal sentir ou ter a perceção de um tubo muito fino. 

Cateter verão

Dado as sessões de quimioterapia decorrerem por um longo período, há uma grande probabilidade desta utilização ocorrer nos meses quentes.

Aqui tive o cuidado de procurar roupa mais larga e pouca decotada.

Como funciona o cateter para quimioterapia?

Para a quimioterapia ser administrada, a equipa de enfermagem terá que picar o reservatório e sentimos uma ligeira pressão.

Porém, a dor é algo muito semelhante a uma injeção no braço, nada demais.

Catéter subcutâneo para quimioterapia
quimioterapia administrada por cateter

E a administração da quimio pelo cateter dói?

Durante a quimioterapia não sentia nada no local onde estava o cateter venoso central.

Apenas sentia novamente algo no término da sessão, em que as enfermeiras limpam o reservatório.

Ou seja, só sentia uma ligeira pressão no inicio e no término da sessão de quimioterapia

Riscos do cateter

O cateter central subcutâneo pode representar alguns riscos. Até porque é um dispositivo estranho no nosso corpo. 

Assim, caso sinta alguma das situações abaixo descritas, deve entrar em contacto com a equipa médica:

  • dor;
  • alguma alteração (inchaço; vermelhidão);
  • dormência do braço do lado do cateter;
  • complicações respiratórias.

Experiências cateter subcutaneo

Eu tive uma boa experiência com o cateter, pois permitiu-me evitar o sofrimento que teria caso todas as 8 sessões de quimioterapia ocorresem pelos braços.

E não tive qualquer complicação associada ao cateter. 

Todavia, tal pode ocorrer e aí a situação será estudada de acordo com cada caso.  

Conheço uma situação em que a complicação resolveu-se com o adiamento por alguns dias de uma sessão de quimioterapia e com a toma de antibiótico

Cateter para análises ou exames?

Em todas as sessões de quimioterapia tive que realizar análises previamente.

Todavia, as análises para quimioterapia não ocorriam pelo cateter. Decorrendo normalmente através do braços.

No meu caso, como ainda não tinha sido operada à mama e à axila, poderia utilizar ambos os braços. Contudo, se a quimioterapia ocorrer após o procedimento cirúrgico é necessário relembrar que nunca poderá utilizar o braço que foi operado. 

O mesmo acontece com a realização de exames, por exemplo na realização de alguns TAC’s, em que este dispositivo nunca foi utilizado.

Manutenção

Dado um dos riscos deste dispositivo ser a infeção do cateter. Desta forma, em todas as sessões de quimioterapia este dispositivo é limpo.

Além de que, após término da quimioterapia, é aconselhada a sua manutenção de 3 em 3 meses.

Assim, a limpeza do catéter, no Hospital São João, realiza-se na sala de enfermagem das Colheitas para Quimioterapia.

Retirar cateter quimioterapia 

Não necessitei de fazer qualquer manutenção ao cateter. Isto porque, o mesmo foi removido durante a cirurgia à mama.

A cicatriz ficou ligeiramente maior, mas com a aplicação do creme Cicalfate, esta cicatriz ganhou um melhor aspecto.

A foto abaixo foi tirada quatro meses após a cirurgia (peço desculpa por não estar direcionada para a cicatriz mas é umas das fotos da evolução da radioterapia).

Pele após radioterapia
4 meses após remoção cateter

Cirurgia à mama remoção do cateter

Eu não estava de todo a contar com esta remoção, durante a cirurgia à mama. Dado ter ouvido sempre da importância de ter este cateter, caso necessitasse de mais sessões de quimioterapia no futuro.

Mas penso que aqui a opinião da paciente deve ser tida em conta.

Eu fiquei contente por saber que iam implantar o cateter. Todavia, não é algo bonito, não. 

E algo é pensarmos que 

Cuidados com a cicatriz

A cicatriz do catéter tinha inicialmente cerca de 3/4 cm. Todavia, após a implantação do catéter, mas também depois da sua remoção torna-se essencial ter alguns cuidados, tais como:

  • evitar o sol;
  • utilização de protetor 50;
  • boa hidratação da pele.

Relativamente ao último ponto, uma vez que já tinha cicalfate e estava a gostar continuei a colocar esta pomada cicatrizante, tendo obtido bons resultados.

No entanto, foram várias as pessoas que me aconselharam também Kelo-Cote gel. 

Conclusão | cateter para quimioterapia

  • se sabe que vai fazer algumas sessões de quimioterapia, questione o seu oncologista para a possibilidade de receber quimioterapia através de cateter subcutaneo. de modo a evitar sofrimento durante as sessões de quimioterapia
  • se sabe que vai colocar o catéter e está à procura de informação sobre a implantação, o desconforto nesta mini-cirurgia é reduzido
  • esta implantação pode ocorrer alguns dias antes da 1.ª sessão de quimioterapia e é importante não coincidir com outros procedimentos médicos. como foi no meu caso a punção folicular
  • não se esquecer de ter alguns cuidados com o cateter, especialmente a vigilância, e também com a cicatriz
  • quanto à remoção do cateter pode abordar esta questão com o seu médico cirurgião
Posted in beleza, cancro da mama, Quimioterapia

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.