Menu Fechar

O que é o esvaziamento axilar? | 15 perguntas e respostas

Quando fui à consulta de cirurgia, fiquei a saber que na operação à mama fariam também esvaziamento axilar, pois tinham identificado uma massa maligna na axila.

Para ser sincera, estava com esperança (nem sei se tal era sequer possível), mas lá no fundo queria receber um milagre e mencionarem que não seria preciso, mas lá teve que ser.

E tem que ser até para retirarem o que não pertence ao meu corpo. Nesta consulta deram-me um documento a explicar o que seria este procedimento, que explica, bastante bem e que abaixo transcrevo.

“1. O que é o Esvaziamento Ganglionar Axilar?

O Esvaziamento Ganglionar Axilar, ou Esvaziamento Axilar (EA), é uma operação destinada a tirar todos os gânglios que os seres humanos têm na axila (debaixo do braço). Cada pessoa tem entre 12 a 20 gânglios na axila (pode haver excepções, com menos de 12 ou mais de 20).

2. Para que serve esta operação (EA)?

Esta operação tem duas finalidades:

a. A primeira é tirar todas as raízes que possam existir nos gânglios (ÍNGUAS).

b. A outra é estudar se a doença (o cancro) está numa fase inicial ou adiantada. Quantos mais gânglios tiverem raízes mais adiantada está a doença.

3. Quando é que o EA é feito?

Hoje em dia, só se faz EA quando já se sabe que há pelo menos um gânglio com raízes do tumor.

Quando se faz a biópsia do tumor da mama também se faz ecografia da axila. Se este exame mostrar gânglios suspeitos, será feita também uma biópsia do gânglio axilar. Se esta biópsia mostrar que há raízes no gânglio, poderá ser necessário submeter essa pessoa a EA.

Se a ecografia da axila não mostrar gânglios suspeitos, será feita a biópsia do Gânglio Sentinela (ver folheto informativo). Se o Gânglio Sentinela tiver raízes do tumor, também poderá ser necessário fazer EA.

4. Como se faz o Esvaziamento Axilar?

a. Quando a doente necessita de mastectomia (tirar a mama toda), o EA é feito pela mesma incisão da mastectomia.

b. Quando a doente vai remover apenas o tumor e conservar a mama, pode ser necessária uma incisão adicional para fazer o EA (depende do local do tumor).

c. A incisão para o EA é feita no local onde terminam os pêlos da axila e tem cerca de 6-8 cm de extensão.

d. O EA obriga a que se coloque um dreno aspirativo na axila. Este dreno fica ligado a um frasco. O dreno só é removido 3 a 5 dias depois, dependendo da drenagem. Na maior parte dos casos, as senhoras poderão ter alta do hospital com os drenos no lugar. Uns dias depois virão ao Centro de Mama do Hospital de S. João para tirar os drenos.

5. Esta operação (Esvaziamento Axilar) pode afectar a minha vida?

Todas as pessoas têm gânglios debaixo do braço e eles são necessários para nos defender de infecções.

Depois de tirar os gânglios (EA) pode ficar mais sensível a ter infecções no braço do lado da operação. Por isso, deve ter cuidados para não se magoar nesse braço (pancadas, picadelas, cortes, etc…).

Além disso, depois de tirar os gânglios da axila o braço fica com alguma tendência para acumular líquidos. Por isso, pode inchar.

Em algumas situações, particularmente quando se faz tratamento com RADIOTERAPIA na axila e no pescoço, o braço pode inchar muito (LINFEDEMA), o que limita muito a vida das pessoas.

Para evitar estas complicações deve poupar o braço a esforços pesados ou repetitivos (por exemplo, estar muito tempo seguido a passar a ferro…). Deve evitar picadas e feridas no braço, pelo que deve evitar tirar sangue para análises do lado da operação.

Pode fazer esforços de curta duração, mesmo com pesos.

Quando o braço começa a inchar pode precisar de tratamentos especiais de FISIOTERAPIA ou de utilizar mangas elásticas.

6. Quais as complicações mais frequentes associadas a esta operação?

a. Seroma (acumulação de líquido na área), que pode obrigar a várias punções para tirar o líquido

b. Infeção na área

c. Diminuição da sensibilidade na área e na parte interna do braço, que recupera lentamente (6-12 meses)

d. Dor no braço

e. Diminuição da mobilidade do ombro

f. Inchaço do braço (LINFEDEMA)”

Fonte: Hospital São João

Folheto informativo Gânglio Sentinela Fonte: Hospital São João

Tal como a menopausa durante ou depois dos tratamentos, o esvaziamento axilar é uma questão que, a meu ver, merece uma muito maior abordagem.

Isto porque, se tivermos mesmo que realizar esta cirurgia, está poderá condicionar muito a nossa vida

Mas existem medidas para termos as mínimas sequelas, sendo por isso pertinente abordar este assunto repetidamente. 

Perguntas sobre esvaziamento da axila

7. Tem-se dores?

Sim, muitas mesmo. Não digo isto para assustar alguém. 

Mas para tranquilizar as pessoas que vão ser submetidas e que se deparam com este cenário que é tão devastador

Quando acordei da operação fiquei parva como de um momento para o outro tinha simplesmente perdido o meu braço.

Porém, foquei-me novamente nas situações de cancro da mama que conhecia, em que hoje em dia estavam minimamente bem.

8. Porque é que vou fazer esvaziamento axilar?

Tem mesmo que ser? Sim, questionei-me também, por várias vezes.

Mas uma coisa é esta parte do corpo não ter sido afetada.

Outra é ter sido afetada e se não formos operadas, acredito que ficamos com um maior medo

Assim, através desta operação uma massa maligna será removida do nosso corpo. 

9. Posso fazer algo para minimizar as sequelas?

Sim, podemos. Recordo-me de como estava após a cirurgia oncológica. E, após consentimento médico, comecei a fazer as devidas massagens terapeuticas e exercicios de reabilitação e fui sentido melhorias significativas.

Radioterapia e esvaziamento axilar

Tendo regredido durante a radioterapia, sendo um processo normal.

Nesta altura tive que parar com as massagens terapeuticas mas continuei com os exercícios no braço e, mesmo assim, o braço ficou bastante preso.

Após o fim da radioterapia continuei com as duas medidas e, novamente e, felizmente, comecei a sentir melhorias

10. Quem faz esvaziamento axilar pode fazer musculação?

Fiz esta pergunta à minha oncologista e a resposta foi negativa. Então, no ginásio só faço exercícios de pernas

É de mencionar que só entrei num ginário cerca de 1 ano após a cirurgia oncológica com esvaziamento axilar

E natação?

Todavia, tenho nadado, o que me faz sentir muito bem, não tendo tido uma dificuldade muito elevada.

Mas, inicialmente, sentimos algo. 

Ioga e pilates?

É de todo pertinente indicar a sua situação ao instrutor ou institutora

Eu não gosto de dizer que tive cancro da mama pois sei que a partir daquele momento serei vista como a miúda que teve cancro. Mas podemos indicar que temos uma condição no braço e que não podemos, de todo, exercer força

Isto porque, determinadas posições poderá mesmo não conseguir realizar ou então, não sendo muito postivas para a sua situação.

11. Continuas com os cuidados?

Sim, continuo. Confesso que não com a mesma frequência.

Isto é, se depois da radioterapia quase todos os dias fazia as massagens terapeuticas e os exercícios de reabilitação. 

Passado um ano desta cirurgia, tento fazer pelo menos uma vez por semana os exercícios. E no banho as massagens terapeuticas

12. Quem faz esvaziamento axilar tem direito à reforma?

Atualmente não.

De facto esta é uma questão frequente pois há alguns anos atrás poderia acontecer.

Conheço duas pessoas que atravessaram cancro da mama há duas dezenas de anos e usufruem de reforma antecipada por invalidez.

Porém, tal não acontece, atualmente. Claro que pode sempre pedir, pois eu só estou a falar sobre esta condição de saúde, e cada situação é especifica dado outras doenças ou problemas.

Mas apenas por esvaziamento axilar não terá direito a reforma antecipada.

De facto, esvaziamento axilar pode dar um valor superior de incapacidade temporária relativamente a atestado médico de incapacidade. Mas mesmo após os 5 anos do cancro da mama poderá não ter o seu atestado médico renovado

# artigos sobre atestado médico de incapacidade

13. O que se sente?

Então, inicialmente perdemos mesmo o braço. Penso que não consigo corresponder esta sensação de outro modo em palavras. 

Queremos mexer o nosso braço para cima e para baixo e simplesmente não conseguimos.

Então como é que consegues fazer os exercicios de reabilitação?

Porque a ideia é ir forçando, aos poucos, o braço

Atualmente, levo o meu braço, “normalmente” às costas e sei o quanto isso me parecia apenas impossível há um ano atrás.

Mas aos poucos vamos conseguindo ganhar algum terreno e sentindo que conseguimos esticar um pouco mais o braço.

Todavia, a sensação na zona da cicatriz é sempre estranha, mesmo passado uns bons meses, tocamos e sentimos algo como cócegas internas….

E temos sempre esta sensação quando fazemos a depilação que, recordo, não pode ser feita com lâminas, mas de um modo não cortante.

# Cuidados permanentes esvaziamento axilar

14. Estás completamente recuperada do braço?

Sinto-me completamente recuperada pois consigo fazer a minha vida normal.

Mas tal implicou fazer alguns ajustes à minha vida. 

  • o mês seguinte à cirurgia não fiz mesmo qualquer esforço com o braço operado [preparei-me muito bem, mas também fui pedindo ajuda, principalmente para as tarefas domésticas]
  • durante a radioterapia, apesar do desconforto (pois foi no inverno), enquanto a pomada secava fazia os exercícios e mesmo assim senti uma forte regressão
  • depois da radioterapia, fiz várias vezes este exercício assim como massagens terapeuticas
  • atualmente tento ter cuidado em não fazer grandes esforços (levantamento pesos) com este braço

15. E as dores passado um ano?

Sim, algumas. Mas raramente e mais associadas quando faço uma asneira. Exemplo: para não ir duas vezes ao carro levo na mão esquerda uma saca com 2/3kg´s de peso. 

E no dia a seguir arrependo-me, pois ando ali com uma dorzinha chatinha para me recordar que levantamento de pesos, neste braço, não

Cicatriz do esvaziamento axilar
esvaziamento axilar artigos

conclusão | perguntas sobre esvaziamento axilar

  • esvaziamento axilar é um assunto que me diz muito, isto porque inicialmente fiquei muito triste por saber que teria que fazer esta cirurgia, mas após ter aceite que este era o meu caminho, quis aprender o que deveria fazer
  • e ainda bem que o fiz, pois com ajuda profissional, e algum empenho, atualmente, passado um ano estou muito bem do braço operado
Posted in cirurgia, esvaziamento axilar

2 Comments

  1. Helena

    Olá,
    Como foi tarefas domésticas após o mês de repouso do esvaziamento axilar?
    Obrigada
    P.s. gosto muito deste blog. Bom trabalho!

    • maisumahistoria

      Olá Helena,
      De facto no primeiro mês após esvaziamento axilar não fiz praticamente nada.
      Mas com os exercícios fui sentindo melhorias significativas.
      Depois, durante a radioterapia, avisaram-me ser novamente necessário muito cuidado. Então, pedi ajuda. Tive mesmo muito cuidado com o braço nesse período.
      Depois fui começando a fazer as coisas mas com todos os cuidados. Exemplo: estender a roupa (ótimo exercício para esvaziamento axilar) mas levantar estendal apenas com a mão não operada.
      Assim como a cama, pegar em tachos…tentei habituar-me a fazer mais com a mão direita.
      Mas brevemente vou responder a mais questões desta temática.
      Mais importante de tudo é irmos ouvindo o nosso corpo, conhecendo os nossos limites e respeita los.
      Beijinhos,
      Lara

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.